26 de set de 2010

O PRESIDENTE DO IRÃ E A ASSEMBLEIA GERAL DA ONU

Ahmadinejad discursa na ONU

"...Ahmadinejad se mostrou surpreso com as reações a seu pronunciamento e chegou a perguntar se tinha "dito algo de errado..."

. . . . 

O show de horrores é epidêmico. Foi-se o tempo [ou talvez nunca tenha existido este tempo] em que um órgão de representatividade ou uma autoridade pública tinha envergadura intelectual e mais que isso, envergadura de compromisso ético para emitir uma opinião ao microfone. Hoje, qualquer alienando fala qualquer improbidade a fim de ecoar a sua barbárie repugnante e funesta. Quem mandou darem um microfone a um louco como Sr. Ahmadinejad?

Um estadista terrorista merece a mesma irrelevância como qualquer outro terrorista. É-lhe facultado apenas o direito de falar para advogar a contra-acusação, assim como se é facultado a qualquer corruptor da lei perante um tribunal de justiça.
Dar voz a um criminoso da Humanidade, como um ser digno de emitir alguma opinião nas Organizações das Nações Unidas, é uma falta de decoro humanitário.

Moisés Lourenço

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores